Bem-vindo!

Sedeado na Vila de Caminha, o Restaurante Solar do Pescado, destaca-se pela qualidade dos seus produtos servidos à mesa dos seus comensais, bem como pela simpatia dos seus funcionários.

Dando primazia à qualidade da gastronomia que proporciona, o nosso Restaurante oferece uma variedade de peixes, mariscos e carnes, para deleite dos nossos clientes.

Venha visitar-nos e fique a conhecer um dos concelhos mais bonitos do Minho!

A lampreia é um peixe de água doce, com corpo semelhante à enguia. É pescada nos Rios Minho, Cávado, Douro e tejo e é considerada uma iguaria gastronómica. A lampreia é servida em vários restaurantes em Portugal durantes os meses de fevereiro, março e abril, altura ideal do ano para a pesca da lampreia. Os pratos mais cozinhados são o arroz de lampreia, lampreia à bordalesa, guisada e em escabeche. Por esta razão, existem, um pouco por todo o Norte do país, e não só, vários festivais dedicados a esta iguaria. Não perca, neste especial, aos vários locais onde a lampreia é rainha. Conheça alguns dos restaurantes onde pode apreciar este peixe.

 

Oito fatos interessantes sobre a lampreia

1 – Existem 6 e não 3, tipos de lampreia: lampreia  marinha; lampreia do rio, lampreia  do   riacho, lampreia da costa da prata, lampreia do nabão e lampreia do sado.

2 – Produto gastronómico tradicional de Portugal: a lampreia é considerada um pitéu entre os produtos nacionais. Deve ser comida idealmente entre fevereiro e março num restaurante que lhe garanta qualidade.

3 – Deve ser servida à moda antiga: o arroz de lampreia feito e servido de forma tradicional tem que se lhe diga: deve ser comido bem quente e a servido no tacho onde foi feito. Antes de chegar à mesa, este prato deverá ter sido confecionado num tacho de ferro e à lareira.

4 – Pode ir de comboio à lampreia: é tempo de comer lampreia e a CP-Comboios de Portugal criou um programa de lazer que se destina essencialmente aos apreciadores da famosa lampreia.

5 – Tem forma de serpente: o aspeto da lampreia é de uma serpente ou cobra de água. De facto, os biólogos caraterizam-na como um peixe com corpo serpententiforme e de tamanho médio, com sete orifícios e boca em forma de ventosa.

6 – Nasce cega e sem dentes: a lampreia  marinha é uma espécie que vive no mar, mas na altura da reprodução, durante a primavera, sobe os rios para desovar. Segundo o aquário Vasco da Gama, podem pôr até 200 mil ovos de forma esférica.

7 – Conhecida como “vampiros de água”: a alimentação das lampreias baseia-se no sangue no sangue e tecidos de outros peixes e, por essa razão, são conhecidas como “vampiro de água”.

8 – A conservação é necessária: no século passado, a lampreia era abundante nos rios do Norte de Portugal e no Tejo, no Guadiana e no Zêzere. Mas hoje, apesar de ainda não haver falta, as populações de lampreia existentes encontram-se em regressão devido à pesca excessiva de que tem sido alvo, bem como da destruição dos locais de desova.

Fonte: Festival Gastronómico da Lampreia – Jornal de Noticias 2016